Animais São Sensitivos?

  1. Animais, em especial os domésticos, são sensitivos? Como seria a sensibilidade deles para questões espirituais?

Alguns animais, principalmente os mais inteligentes, como o cão, o elefante e o cavalo, possuem maior inteligência que os demais e podem praticar atos que nos parecem muito próximos da consciência humana. São, todavia, de inteligência limitada, que geralmente se circunscreve aos meios de conservação e de satisfação de suas atividades físicas. A sensibilidade para coisas espirituais existe, mas não pode, contudo, se comparar com o que nós, espíritas, chamamos de mediunidade, pois que esta exigiria participação consciente ou inconsciente. A vida inteligente, no animal, permanece em estado latente. A inteligência existe, porém, de forma limitada.

2. Qual a explicação, na ótica espírita, para casos em que cachorros e gatos demonstram não gostar de alguém que um dia essa pessoa faz mal para o tutor do animal?

Existem aptidões diversas, nos animais, a ponto de neles se desenvolverem sentimentos e paixões idênticos aos dos humanos. Eles são sensíveis e reconhecidos, vingativos e às vezes rancorosos, conforme se aja bem ou mal com eles. Principalmente os mais próximos e que servem o homem, têm qualidades de sociabilidade ausentes nos animais selvagens. Daí, certas reações muito parecidas com a dos humanos.

  • Os bichos têm algum tipo de premonição?

Embora alguns animais demonstrem notória superioridade sobre os homens, em determinadas áreas de atuação, a premonição exigiria graus de inteligência dos quais eles ainda estão distantes. Possuem, no entanto, determinados sentidos muito mais aguçados do que o homem, que nos fazem erroneamente pensar que se anteciparam ao futuro.

4. Recebi vários relatos de pessoas que vivenciaram experiências místicas com seus animais. A maioria acredita que seus bichos viram ou ouviram espíritos: como a doutrina explica essas situações?

Pode acontecer de espíritos se tornarem visíveis e tangíveis somente para os animais. O pavor súbito de que, às vezes, são tomados, pode ser causado pela visão de um ou mais espíritos que querem atingir ou sensibilizar as pessoas que os acompanham. Há cavalos que não querem avançar, nem recuar, ou que empinam diante de um obstáculo imaginário. Esse obstáculo pode ser um espírito que se compraz em impedi-los de avançar. Geralmente, salvo circunstâncias especiais, são espíritos inferiores, que querem perturbar, incomodar ou fazer mal aos homens presentes. Podem, todavia, servir de alerta para os perigos que seus acompanhantes estão correndo.

5. Por que os animais teriam a capacidade de ver espíritos? E por que alguns veem e outros não?

Animais não têm “mediunidade” para ver espíritos. Alguns espíritos se tornam visíveis para alguns, dependendo da sua intenção ou circunstância, visando sempre atingir os donos ou acompanhantes dos animais, com boas ou más intenções.

6. Em sua opinião, os animais de estimação filtram ou protegem seus tutores de energias e influências negativas?

Agem, em relação aos espíritos, com o mesmo instinto de proteção aos seus donos que demonstram em relação a perigos materiais. Sua pergunta se refere a eventuais sensibilizações de animais a vibrações negativas? Já dissemos, em resposta anterior, que eles possuem sentimentos muito parecidos com os dos homens. Daí, sofrerem, às vezes, os mesmos desconfortos vibracionais. Não servem, no entanto, de “para-raios” contra as energias e influências negativas. Cabe a cada um de nós, com nossos pensamentos e atos, prevenirmo-nos e defendermo-nos dessas inconveniências.  

7. Os bichos poderiam, ainda, afastar espíritos que estão prejudicando seus donos?

Alguns espíritos inferiores, que estão muito apegados à matéria, podem se assustar com os animais, porquanto se julgam ainda encarnados. O contrário é o mais frequente: espíritos que se comprazem em assustar animais, para atingir os encarnados. Basta algum nível de consciência e evolução para o desencarnado saber o que efetivamente pode lhe fazer mal e assustá-lo.

8. Os animais têm algum grau de “mediunidade”?

Não poderiam ter. Essa faculdade pressupõe a inteligência, que, embora às vezes acentuada, é limitada, nos animais. A mula de Balaão (Bíblia, Números 22) viu, antes dele, um anjo, com sua espada flamejante, que se tornou visível antes para o animal. Espíritos não podem mediunizar diretamente animais. É sempre necessária a participação consciente ou inconsciente de um médium humano. Há necessidade de fluidos que não podem ser encontrados nem nos animais, nem na matéria bruta.

9. Sonhar com animais já falecidos seria apenas uma manifestação da saudade ou poderia comunicar algo do plano espiritual?

Animais permanecem, geralmente, pouco tempo na espiritualidade, estado que, nós espíritas, chamamos de erraticidade, salvo circunstâncias especiais. André Luiz, no livro “Nosso Lar”, nos dá notícias de animais domésticos e também de muares, cães e aves, que facilitam o trabalho dos espíritos.

É difícil, porém, não impossível, eventual e ligeiro contato com nossos bichinhos de estimação, em nossos desdobramentos espirituais. No entanto, normalmente, como você afirmou em sua pergunta, essa visão é mais a manifestação do nosso sentimento pelo animal. Espíritos se valem de certas imagens para nos alertar ou nos transmitir algum recado? Sim, mas isso decorre de nossa interpretação, ao voltarmos do nosso sono, lembrando dos sonhos de acordo com a nossa personalidade, nossos sentimentos e nosso nível evolutivo.


Autor: Sidney Fernandes

http://www.sidneyfernandes.com.br/artigos